HOME*Seja Bem Vindo(a), Boa Noite!
Hoje é Segunda-Feira, 10 de Agosto de 2020 *
Criadouro Kakapo

 Os  Cruzamentos Efetuados com o Canário Doméstico

 
Revista Pássaros
Ano 5 nro 19 2000
Arquivo editado em 09/03/2002
I – Introdução

No final  do século passado já era comum na Europa cruzamentos entre animais, mas precisamente com o canário doméstico. Desta época tem-se notícia que no Brasil já produziram o pintagol (pintassilgo x canária), fato relatado pelo zoólogo Emílio GOELDI, em 1894. Portanto esta prática de hibridar o canário tem de sobra um século.
Em princípio dois motivos levam os criadores a hibridar seus canários, em primeiro lugar a curiosidade inerente do ser humano em saber o que vai resultar um cruzamento. Outros mais conscientes, buscam através da hibridação a procura de cores novas ou de outros fatores que possam dar mais vitalidade ou longevidade aos canários domésticos em geral. No momento, estando quase solucionado o canário vermelho, se busca o canário negro. Aliás no início do século se tentou o canário negro cruzando o tiziu com a canária.

II – Metodologia

Inicialmente consultou-se o trabalho de GRAY (1958), que contém 55 hibridações do canário doméstico. Pesquisou-se ainda nas seguintes obras: GILL (1962), GICQUELAIS (1966), RADTKE (1972), GRZIMEK (1980), ELLIS (1984) e BIELFELD (1988). A partir dos dados obtidos nestes trabalhos e atualizada a situação sistemática e taxonômica das espécies envolvidas, elaborou-se a tabela anexa, onde de forma sintética procurou-se demonstrar a problemática dos cruzamentos.

III – Resultados

A tabela única mostra que foram realizados pelo menos 61 cruzamentos, envolvendo 8 famílias de aves. Contudo o mais interessante são os cruzamentos com as espécies da subfamília Carduelinae, à qual pertence o canário doméstico. O cruzamento do canário doméstico com o canário silvestre não é uma hibridação, pois são da mesma espécie, neste caso tecnicamente temos bastardos e não híbridos. Dos gêneros desta subfamília, em especial Serinus e Carduelis, dão híbridos com descendência fértil. A principal espécie é o Tarin da Venezuela (Carduelis cucullatus) que deu origem aos canários com pigmentos vermelhos.
O advento do canário vermelho por sua vez reforçou a muito a prática de cruzamento ente espécie, pois antigamente, formas silvestres com plumagem vermelha produziram híbridos sem esta cor. Usando-se canários vermelhos nestes cruzamentos passou-se a ter híbridos mais bonitos com uma vistosa cor avermelhada.
Com relação aos híbridos de aves brasileiras: tiziu, canário-da-terra, pintassilgos, cravina e Garibaldi, veja SICK (1988). O autor afirma que uma fêmea híbrida de Garibaldi (icterídeo) com canária foi fecunda em retrocruzamento com canário.
No decorrer do levantamento bibliográfico, encontrou-se algo que deve interessar aos aficcionados da hibridação, no Uruguai foram introduzidos, j’s há algum tempo o pintassilgo-português (C. carduelis) e o verdilhão (C. chloris).
Sendo nativo neste país a subespécie de pintassilgo (Carduelis m. mangellanica), que parece ser de maior porte que o nosso.

IV – Discussão e Conclusão

Conforme demonstra os resultados, fica claro que o criador que pretender hibridar seus canários deverá usar espécies da subfamília Carduelinae se quiser obter híbridos fecundos e prosseguir nos cruzamentos. Deverá observar quais as espécies que produzem híbridos fecundos, bem como em qual sexo (geralmente o masculino).
Por outro lado um híbrido mesmo infecundo pode ser um belo pássaro e às vezes um bom cantor. No Brasil a prática de criação de híbrido para exposição ainda é pouco desenvolvida. Na Europa a grande moda é o cruzamento entre aves silvestres ou de híbridos de canário com outra espécie silvestre, ocorrendo mesmo cruzamentos entre dois híbridos fecundos. Prova disto é que no Campeonato Mundial de Reims em 1997 foram inscritos nada menos que 700 híbridos.
Atualmente as hibridações são feitas levando em consideração a carga genética que a forma silvestre e o canário irão passar para os híbridos. Na Europa já existem padrões predeterminados de cor e raça para efetuar os cruzamentos. Por exemplo o pintassilgo português com canária mosaico de linha clara ou do pintarroxo com uma canária Yorkshire branca isso, sem falar no uso generalizado de canários (as) vermelhos, nas suas diferentes cores e tonalidades. Outro grupo procura incessantemente o canário negro, principalmente através do negrito da Bolívia.
Interessante ressaltar que uma dúvida antiga sobre a origem do “Lizard”, no tocante ao fato de ser ou não descendente de uma espécie silvestre, está relativamente claro pelo resultado obtido do cruzamento Serinus pusillus com a canária, que resultou em algo muito parecido com o “Lizard” .
A hibridação com canários não deve ser considerada como uma atividade principal, mas sim como uma atividade paralela e tão interessante como a criação de canário de cor ou porte.

Cruza    F1

Família Sub-família Espécie Nome Vulgar Origem F M F M Observações
Fringillinae Fringillinae Fringillinae Coelebs Tentilhão ou Pimpalhão NR da EUropa X X Raramente sobrevivem
F.
Monrtinngillia
Brambing N da Europa X Filhotes nascem + não sobrevivem
Carduelinae Sennus Canar Canário silvestre Arq. Canárias X X S S Cz.bem c/ for.doméstica
Verz S.serinos canária Milheira ou Serin Mediterrâneo X X ? S Cantores incansáveis
S. atrogularis Canário de Costa Amarela SD África X S Bons cantores
S. alario Alario ou Alario Finch África do Sul X S Fácil de criar dominância do Alario
S. canicolis Canário do Cabo África do Sul X ? F1 Bons cantores
S. flaviventris Canário de Barriga Amarela África do Sul X Cruz. Raro Bons Cantores
S. flavivenx Canário de Cabeça Amarela Ilha Sta Helena N N F1 semelhante à forma selvagem
S. guans Canário de Cabeça Raiada X Cruzamento difícil
S. leucopygius spp. Canário de Costa Branca Senegal e Eritréia X X N N Bons cantores
S. moçambique Canário de Moçabique SD daÁfrica X Canto suave melhor crz fêm. verm.
S. sulphuratus Canário Enchofre X N N Houve vários nascimentos
S. pusillus Red-Fronted 
Serin
Oriente Médio X S Híbrido assemelha-se ao "Lizard"
Carduelis atrata Negrito-da-Bolívia C. da América do Sul X S F1 Adulto de cor quase negra
C. Barbata Cabecita Negra de Corbata Arg. Chile e Bolívia X Filhotes Acinzentados
C. carduelis Pintassilgo Português Europa Méd., Ásia X X ? S Bons cantores cores variadas
C. citrinella Canário Limão Europa e Mediterrâneo X X Relativamente raro
C. cucullatus Tarin-da-
Venezuela
N.daAmérica do Sul X X ? S Ft. dos gen vermelho dos canários
C. magellanica Pintassilgo América do Sul X X ? S Excelentes cantores muito ativos
C. yarrelli Pintassilgo-
Baiano
Nordeste do Brasil X ? ? S Cores variadas
C. notatus Black-marked Siskin México e Nicarágua X ? Relativ. fácil obter Híbridos
C. spnoides Pintassilgo-do-
Himalaia
Himalaia X S Espécie atualmente muito usada
C. spinus Pintassilgo-
Verde
Med. Europa e Ásia X X N S Canta muito pior que o canário
C. totta Cape Siskin X Houve nascimentos
C. tristis Pintassilgo-norte-
americano
Am. do Norte e México X O canto é intermediário entre os pais
C. chlons Verdilhão ou Verderol Europa e Mediterrâneo X X Nasce mais machos
A. cantteis
flammes
Redpoll Norte da europa X ? Difícil de criar, usar canária verm.
A. ttavirotris Twite Europa e Oriente Médio X O seu canto e question. e são raros
A. cannabina Pintarroxo ou Linnel Eurásia e Mediterrâneo X X S B. cantor ovários ger. degenerados
Carpodacus
erythinus
Common Rosefinch ou
Kaminginpel
Eurásia X X S Melhor usar canário vermelho. Os filhotes precisam de supl. vitamínico
C. mexicanus House Finch Canadá ao México X ? S Canta forte usar viveiro
C. purpureus Purple Finch América do Norte X X Ficaram adultos
Rodopechs
githacinea
Wostrontrampeter Norte da África X X ? Melhor usar canário com f. vermelho deve se cruzar em viveiro
Pyrruhula pyrruhula Dom-fafe ou Bulfinch Europa X Grandes e bem coloridos. Melhor canários Norwich ou Yorkshire
Loxia cruvirostra Crossbili Europa e Mediterrâneo X Difícil sincronizar a maturação do casal
Emberizinae Emberiza Escrevedeira amarela Europa X X Apenas a obtenção de ovos fecundos
E. molanocophala Black-headed
Bunting
Europa e Oriente Médio X Há dúvidas do resultado
Passarina cittis Painted Bunting Am.Central e Sul EUA X Parece que não houve sobrevida
P. Cyanea Indiga Bunting Ministro Am.Central e do Norte X Filh. verdes, há dúviodas do resultado
P. Leclanchen Raimbow Bunting México X Um macho, há dúvidas do resultado
Volatina jacarina Tiziu ou Veludinho América do Sul / Central X Parece efetivamente cruzar
Sicallis flaveola Canário-da-Terra América do Sul X X Os híbridos podem variar na cor
Coryphospingus
pileatus
Cravina ou Galinho-da-Serra América do Sul/Central X Embora pareça viável, há dúvidas qto ao resultado o mesmo p/ C. Cucullatus
Placoidae Passerinze Passer domesticus Pardal Eurásia, introduzido nas Américas X Sem importância apenas curiosidade
P. montanus Tree Sparow Eurásia X Acasalaa, mas os ovos são infecundos
Petronia xanthocollins Pardal-amarelo Oriente Médio e ïndia Ocorreu incubação, há dúvidas do resultado
Vidulnae Hypochera chaybeata Viúva-de-pés-
vermelhos
Leste da África X Infelizmente as filhotes não portam a cor preta metálica do pai. Cruzar em viveiro
Euplectinae Faoudia
madagascaróonsia
Tecelão-de-
Madagascar
Madagascar X Teve nascimentos, há dúvidas
Eu[lectos franciscanus Cardeal-africano Sul e Leste da África X Há dúvidas no resultado
Estrildidae Amadina fasciata Degolado Ao Sul e Leste do Sacra X O híberido morreu logo após nascer
Lonchura striata
 swinhaci
Manon-doméstico -x-x-x- X Há dúvidas no resultado
L. malloca Freira tricolor Sul da Ásia e Ilhas X H's dúvidas no resultado
Poophila acuticauda Sharp-tallad Finch Norte da Austrália X Obteve-se ovos férteis
P.g. castanotis mandarim-Zebrado Austrália X Há dúvidas no resultado
Estriida troglodytas Black-reumped
Walxbill
Parte central da África X N N Há dúvvidas no resultado
Zosteropidae Zoosteropis virens Green White-eye África X Ocorreu nascimento, há dúvidas
Muscicapidae Timallinae Laiathrix lutes Rouxinol-do-Japão Himalaia ao S. da China X Possivelmente o pai era outra ave
Turdidae Luscinia luscinia Rouxinol-da-Europa Eurásia X Apenas ovos inférteis
Icteridae Agelaus nudulatus Garibaldi ou Casaca-de-couro América do Sul Cisandina X S A híbrida teve fil;hotes com Canário
Psitacidae Melopsitacus Periquito-australiano Austrália X Obviamente, há dúvidas nesse caso

X=o cruzamento de silvestre com fêmea (F) ou macho(M) de canário 
S=F1 fecundo
N=F1 não fecundo
?=há possibilidade

 Voltar Página dos Artigos

Voltar Página Menu Artigos Acasalamentos

Voltar Página Inicial

Este artigo foi vizualizado 25208 vezes! - Desde 09/04/2008.



Anuncie ....

Clique no logo Azul e anuncie aqui. 7 dias por semana 24 horas por dia.

Anuncie Aqui....
Sitio do Criadouro Kakapo


Software SISCOCAN ***....

Adquira já o seu

Anuncie ....
MC Agropecuaria....

ACPSSC....

width 140 pixels X height 70 pixels, saiba como anunciar aqui

ANUNCIE SEU CRIADOURO OU SUA EMPRESA AQUI
Software SISCOCAN ***....

Adquira já o seu



Clique na Estrela Acima e adicione o Site Criadouro Kakapo aos favoritos!.

Veja Aqui As Enquetes Encerradas


Voce usa Farinhada?
Farinhada Caseira
Farinhada Comercial
Votar
resultado parcial...


Qual Mutação Prefere
Acetinado
Cobalto
Eumo
Feo
Jaspe
Onix
Opal
Pastel
Topazio
Outras
Votar
resultado parcial...


De uma nota para o site
Nota 1
Nota 2
Nota 3
Nota 4
Nota 5
Nota 6
Nota 7
Nota 8
Nota 9
Nota 10
Votar
resultado parcial...

Como nos Encontrou?
Amigos (indicação)
Já conhecia o site
OutDoor
Por E-Mail
Publicidade do Criadouro
Revistas Ornitológicas
Site de Busca
Outros
Votar
resultado parcial...

Página Atualizada . 

Contadores Iniciado em
07 Jan 2011.
 


Firefox

GERAL
CANÁRIOS GERAL
CANÁRIO DE COR
CANÁRIO DE PORTE
CANÁRIO DE CANTO
LEGISLAÇÃO
PARTICIPE
INFORMAÇÃO
SERVIÇOS
IMAGEM E FOTOS
LITERATURA
LINKS
FAQ´S
FALE CONOSCO
DOWNLOAD
DIVERSOS